ombro lateral
Biomecânica
22 de Agosto, 2021

Trilogia – estimulação do ombro no plano frontal

Recorda-se que no início destes mês analisamos uma elevação lateral com haltere na posição deitado? Já num post anterior tínhamos analisado o mesmo exercício mas na posição ereta e com recurso à utilização de cabos! Hoje para terminarmos esta trilogia recorremos ao mesmo exercício mas numa posição intermédia entre a vertical e horizontal.

A utilização de cabos permite-nos manipular a direção da resistência, por isso são uma mais valia no nosso processo de treino porque quando manipulamos essa variável podemos encontrar cenários bastante interessantes e individualizar, de forma bastante particular, um determinado contexto de treino.

Quando recorremos à utilização de halteres a direção da força nunca se altera, esta é representada pela força da gravidade a atuar sobre o objeto, neste caso o haltere. Então como podemos manipular a resistência neste tipo de casos? A única forma será variarmos a posição do nosso corpo em relação à resistência.

Neste caso em particular colocando o corpo numa posição intermédia encontramos o potencial de maior resistência numa posição de 45 graus de abdução do ombro.

Estimulação do ombro a 45 graus.
Estimulação do ombro a 45 graus.

Por sua vez quando o exercício é na posição vertical a maior resistência é aos 90 graus de abdução e na posição horizontal, deitado, a resistência é aos “0” graus, ou seja assim que o braço se afasta do corpo.

Desta maneira conseguimos com “o mesmo exercício” encontrar diferentes variações da resistência que no final serão três cenários diferentes e que podem resumir o constante pensamento crítico na construção de um exercício para determinados indivíduos.

Seria imprudente estarmos a dizer que determinada posição é melhor que outra… provavelmente será o indivíduo que nos vai dar parte das respostas. Contudo reter que a nossa capacidade de produzir força também diminui à medida que “caminhamos” para o encurtamento muscular.

Como não podemos nem devemos predeterminar o exercício devemos considerar todas as opções e entender todas as suas implicações para que em determinado contexto possamos escolher o que nos oferece a melhor relação risco-benefício.

Referências:

  • Adaptado de: RTS (Resistance Training Specialist) – Tom Purvis.

blog

Treino online
Treino de força
Treino ao ar livre
Treino
Testemunho
Terapia Ocupacional
Sono
Sem categoria
saúde
Reflexão da Semana
Prevenção de lesões
Preparação Física
Preparação Física
Postura
Personal Trainer
Perda de Peso
Osteoporose
Nutrição
Músculos
Multidisciplinaridade
Medicina
Golfe
genética
Futebol
Fisioterapia Desportiva
Fisioterapia
Exercício Físico
Exercício Clínico
Envelhecimento
Entrevista
Ensino
Educação
Direito Desportivo
Diabetes
Desporto juvenil
Cycling
Comunicação
coluna
Ciência
Cardio
Cancro
Biomecânica
Atletismo
atividade física