Blog PTX

Qual o melhor aquecimento para si?

De uma forma geral, o aquecimento estimula o sistema nervoso, melhora a circulação sanguínea e consequente eficiência cardíaca, aumenta ainda a temperatura corporal. Estes factores irão facilitar a activação muscular, ou seja, os músculos vão contrair mais facilmente. Um bom aquecimento vai também ajudar a reduzir o risco de lesão e a aumentar a produção de força.


Na PTX dedicamo-nos diariamente a melhorar os nossos procedimentos e métodos de trabalho ao nível do treino de força, portanto, inevitavelmente, é sobre o aquecimento direccionado para o treino de força que vai incidir este artigo.
Nós treinadores deparamo-nos frequentemente com limitações a nível de tempo para desenvolver o trabalho que gostaríamos de implementar. Os clientes têm pouco tempo disponível, as sessões passam bastante depressa, há muitos aspectos que gostaríamos de corrigir, muitas progressões para fazer, muitos objetivos para atingir e o cliente que treina na hora imediatamente seguir não pode esperar.

Por isso, cada treino requer uma gestão rigorosa e inteligente do tempo. O aquecimento deve ser prescrito de forma a ser assertivo, ajudar a prevenir lesões e a melhorar o rendimento. Deve também reproduzir o mais possível os movimentos que irão ser trabalhados ao longo da sessão. Por exemplo, se vai treinar os membros inferiores e apostar no agachamento para trabalhar a força deste segmento, é precisamente no agachamento que deve incidir o seu aquecimento aproximando-se progressivamente das cargas e amplitude de movimento que irá realizar.

 


Na PTX temos alguns métodos específicos que podem ajudar a melhorar o seu rendimento no treino, nomeadamente através da activação muscular (MAT). Com a nossa forma de trabalhar, tentamos equilibrar e harmonizar o corpo antes da parte principal do treino, de maneira a prescrever da forma mais adequada à sua condição neuro-músculo-articular e melhorar o seu rendimento e capacidades a cada sessão.
Venha descobrir a nossa forma de trabalhar. Bons treinos!

Texto de Gonçalo André