sofia valagão
Comunicação
20 de Setembro, 2020

Diretores e Técnicos de Exercício Físico – Que futuro para a profissão?

Vivemos períodos de mudança, numa época em que a indústria do Health & Fitness sofre a
necessidade de se recriar e reposicionar de forma a prosperar nos próximos anos. Até então, o setor vinha
florescendo e, de forma acentuada, ganhando terreno no mercado enquanto indústria geradora de
muitos milhões de euros1.
Quantitativamente, para além de um aumento da faturação global, também o número de instalações desportivas, de indivíduos praticantes e profissionais da área vieram reforçar uma tendência para o aumento progressivo2. Qualitativamente, há muito que a nossa profissão deixou ser mera venda de serviços estéticos de divertimento, uma mera ocupação de contagem de séries e repetições e de reprodução de guidelines: temos profissionais de exercício físico cada vez mais especializados e autenticamente preocupados com os seus clientes, clientes cada vez mais esclarecidos e uma prestação de serviços cada vez mais exigentemente reconhecida na sociedade como uma ciência essencial na prevenção, manutenção e melhoria da condição física e saúde dos praticantes.

Sofia Valagão, jurista, é licenciada em Direito e pós-graduada em Direito Fiscal pela Faculdade de Direito de Lisboa. É também detentora de Título Profissional de Diretora Técnica (TPDT), sendo licenciada em Desporto, Condição Física e Saúde, pela Escola Superior de Desporto Rio Maior, onde é, atualmente, mestranda em Atividade Física e Saúde.
“Qualitativamente, há muito que a nossa profissão deixou ser mera venda de serviços estéticos de divertimento, uma mera ocupação de contagem de séries e repetições e de reprodução de guidelines.”


Apesar desta evolução, o caminho tem sido lento e sinuoso e, dos cerca de 4339 Diretores Técnicos (DT) e 16554 Técnicos de Exercício Físico (TEF)3 inscritos em 2020, em Portugal, muitos têm sido aqueles que se têm insurgido contra o deficitário enquadramento da atividade. Manifestam-se contra a gritante falta de regulamentação, razão pela qual são prestados serviços de fitness por praticantes não qualificados ou sem qualquer tipo de formação, o que leva a atividades de qualidade e segurança no mínimo questionáveis. Protestam contra a falta de ética e deontologia profissional manifestada por próprios colegas, profissionais credenciados. Apontam o dedo à desadequada moldura legal das habilitações técnicas dos Diretores e Técnicos de Exercício Físico, realizada pela (nada) atual “Lei dos Ginásios” Continental. Pregam pela necessidade de fiscalização, desenvolvimento e valorização da qualidade, competência e credibilidade da classe.
Quanto a mim, sou daquelas pessoas que acredita que o destino da nossa profissão depende da sensibilização para a importância da criação de um merecido estatuto sócio-profissional. Como? Bom, creio que será mais fácil de entender se lançarmos um olhar mais atento e sistémico ao percurso histórico de algumas profissões em nosso redor, hoje bem organizadas e estruturadas. E observar que muitas delas começaram, de forma aqui simplista, com o surgimento e regulamentação de uma profissão, criação de Associações profissionais, reconhecimento político ao nível de um adequado quadro legislativo, criação de estatutos e códigos deontológicos e, finalmente, reunião de todos os requisitos para a criação de uma Ordem Profissional.
Grosso modo, por definição uma Ordem Profissional é uma pessoa coletiva de direito público constituída com o objetivo de defender os direitos fundamentais dos cidadãos e tendo em vista a autorregulação das profissões. Para além de regular o acesso e exercício da uma profissão, cabe-lhe, ainda, aprovar normas técnicas e deontológicas, zelar pelo cumprimento das normas legais e regulamentares da classe, bem como exercer poder disciplinar e sancionatório sobre os seus membros4.

Há vozes contra a criação de uma Ordem dos Profissionais de Exercício Físico todavia, não poderá ser a defesa e valorização dos profissionais nem a saúde e bem-estar dos praticantes que os preocupa pois, se assim fosse, estariam do lado oposto a apoiar a criação dessa Ordem Profissional que, pelo contributo positivo que representa para a sociedade, terá como incumbência solucionar exatamente tudo o que de ruim invocamos sobre o estado atual da nossa classe.

O pontapé de partida foi dado: foram constituídas três grandes Associações representativas dos Diretores e Técnicos de Exercício Físico em Portugal, a APTEF (Associação Portuguesa de Técnicos de Exercício Físico)5, APFE (Associação Portuguesa de Fisiologistas do Exercício)6 e, a UPDTEF (União
Portuguesa dos Diretores e Técnicos de Exercício Físico)7. Não obstante todo o trabalho exemplarmente desenvolvido, será agora de crucial importância que estas se alinhem e empreguem esforços para que, unidas e a uma só voz, evoluam e culminem na criação de uma Ordem dos Profissionais de Exercício, em toda a sua plenitude de missões e atribuições.

temos profissionais de exercício físico cada vez mais especializados e autenticamente preocupados com os seus clientes
“Temos profissionais de exercício físico cada vez mais especializados e autenticamente preocupados com os seus clientes.”


Pelas razões apontadas considero que o futuro da nossa profissão depende da luta por uma Ordem Profissional, a qual representará um imperativo para a profissão e, acima de tudo, o maior contributo para a melhoria da qualidade dos serviços de exercício físico e saúde prestados à população
portuguesa.

1 IHRSA (2020).
2 AGAP (2020)
3 IPDJ (2020).
4 CNOP (2020).
5 APTEF (2017).
6 APFE (2017).
7 UPDTEF (2018).

PEQUENA NOTA BIOGRÁFICA:
“Sofia Valagão, jurista, é licenciada em Direito e pós-graduada em Direito Fiscal pela Faculdade de Direito
de Lisboa. É também detentora de Título Profissional de Diretora Técnica (TPDT), sendo licenciada em
Desporto, Condição Física e Saúde, pela Escola Superior de Desporto Rio Maior, onde é, atualmente,
mestranda em Atividade Física e Saúde. Exercendo, em contexto de ginásio, funções de Personal Trainer e
de instrutora de aulas de grupo, dedica-se, por outro lado, ao ensino e formação em áreas como a Ética,
Deontologia e Legislação do Fitness.”

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFIAS:
• AGAP. (2020, setembro 03). Barómetro do Fitness 2019 – Fact Sheet. Retrieved from
https://www.portugalactivo.pt/noticias/barometro-do-fitness-2018
• APFE. (2017). Portal da Associação Portuguesa dos Fisiologistas do Exercício. Retrieved from
https://www.apfe.pt/
• APTEF. (2017). Portal da Associação Portuguesa de Técnicos de Exercício Físico. Retrieved from
http://aptef.pt/aptef/
• CNOP. (2020, setembro 03). A função das Ordens Profissionais. Retrieved from
https://www.cnop.pt/sobre/funcoes/
• UPDTEF. (2018). Portal da União Portuguesa dos Diretores e Técnicos de Exercício Físico. Retrieved
from http://www.updtef.pt/
• IHRSA. (2020, setembro 03). Global Report – The State of the Health Club Industry. Retrieved from
https://www.ihrsa.org/publications/the-2020-ihrsa-global-report/.

blog

Treino online
Treino de força
Treino ao ar livre
Treino
Testemunho
Terapia Ocupacional
Sem categoria
saúde
Reflexão da Semana
Prevenção de lesões
Preparação Física
Preparação Física
Postura
Personal Trainer
Perda de Peso
Osteoporose
Nutrição
Músculos
Multidisciplinaridade
Golfe
Futebol
Fisioterapia Desportiva
Fisioterapia
Exercício Físico
Exercício Clínico
Entrevista
Ensino
Educação
Direito Desportivo
Diabetes
Desporto juvenil
Comunicação
Ciência
Cardio
Cancro
Biomecânica
Atletismo
atividade física