Treino
18 de Abril, 2019

Dica de Treino PTX: Execute cada repetição com o máximo controlo

Sempre que executa um exercício e a fadiga se instala, pode haver a predisposição para uma perda de controlo. Podem ocorrer as indesejadas compensações resultando numa aceleração da carga que poderá interferir na eficiência do exercício, ou seja, a aceleração é uma consequência da compensação.

Executar as repetições de forma lenta e controlada evitará “os picos de força potencialmente lesivos.que, eventualmente, retiram o tempo sob tensão dos músculos alvo. Estes aspetos, inevitavelmente interferem na execução e, podem mesmo, afectar a consistência e qualidade de movimento.

O praticante deve manter o controlo e a técnica em cada repetição.
Para alcançar uma solicitação muscular ótima, precisamos de realizar um dado movimento com uma carga quase máxima para o sujeito mas que simultaneamente, este consiga manter o controlo e a técnica.

Muitos praticantes ainda acreditam que ao executar um exercício de forma mais rápida vão conseguir recrutar mais unidades motoras, nomeadamente as de contracção rápida. No entanto, alertamos que esta questão depende mais da variável intensidade do que da variável velocidade.

Como vimos, estas variáveis podem estar inversamente relacionadas, ou seja, ao acelerarmos, estaremos inconscientemente a comprometer a intensidade. Portanto, para alcançar uma solicitação muscular ótima, precisamos de realizar um dado movimento com uma carga quase máxima para o sujeito mas que simultaneamente, este consiga manter o controlo e a técnica o mais possível de forma a manter o desafio em toda a amplitude do movimento sem comprometer a estrutura.

Outro aspeto que também gera confusão no momento de optar entre repetições rápidas ou repetições lentas, é acreditar que ao executar exercícios de forma mais lenta o atleta vai acabar por se tornar mais lento.

Acreditamos que tal não corresponde inteiramente à verdade. Lembre-se que, como já falámos noutros artigos, devemos ter em conta a segunda lei de Newton: “A força que age sobre um corpo é igual ao produto da massa pela sua aceleração (expressa pela equação F= m.a). Logo: quanto mais fortes são os músculos, mais capacidade têm para produzir força quando se contraem e mais rapidamente poderão acelerar o corpo ou um objecto que estejam a empurrar ou a exercer tracção.”

Portanto, se melhorar a força (mesmo que treine no ginásio com repetições lentas), a médio-longo prazo irá progressivamente conseguir mover cargas mais elevadas e de forma mais rápida de um modo consciente e voluntário.

Texto de Gonçalo André

Adaptado de Resistence Institute Biomechanics and Research

blog

Treino online
Treino de força
Treino ao ar livre
Treino
Testemunho
Terapia Ocupacional
Sem categoria
Reflexão da Semana
Prevenção de lesões
Preparação Física
Preparação Física
Postura
Personal Trainer
Perda de Peso
Osteoporose
Nutrição
Músculos
Multidisciplinaridade
Golfe
Futebol
Fisioterapia Desportiva
Fisioterapia
Exercício Físico
Exercício Clínico
Entrevista
Ensino
Educação
Direito Desportivo
Diabetes
Desporto juvenil
Comunicação
Ciência
Cardio
Cancro
Biomecânica
atividade física