avaliação postural
Postura
11 de Outubro, 2019

Avaliação postural e a busca da simetria em contexto de ginásio

Será que passar a ter "os ombros mais para trás" será sinónimo de uma postura mais adequada?
Forçar uma simetria ou um padrão mais standartizado ou esteticamente mais apelativo pode ir contra à anatomia e características individuais do aluno.

Há cada vez mais pessoas que procuram um profissional credenciado para efetuar uma avaliação postural e tomar as decisões que permitam, por sua vez, melhorar a postura. É compreensível o cliente querer parecer mais direito, mas será que há uma postura ideal? Será que passar a ter “os ombros mais para trás” será sinónimo de uma postura mais adequada para si ou será uma postura que vai mais ao encontro da norma e de padrões que estão mais relacionados com a estética do que propriamente com a saúde?
Convém perceber que não existe uma postura ideal e que esta pode ser determinada pela própria estrutura. Por exemplo, até o seu pé e a forma como o apoia no chão ao longo do tempo, pode desencadear uma série de adaptações na sua estrutura e com isso condicionar todo o alinhamento do seu corpo e consequentemente a sua postura.

Será que ao tentar corrigir determinados desvios nos ombros, coluna ou bacia estamos a respeitar as características individuais do cliente?
Será que ao tentar corrigir determinados desvios nos ombros, coluna ou bacia, estamos a ir de encontro às principais necessidades do cliente?

Por isso, em contexto de ginásio, no seguimento do objetivo de melhorar a postura, podem ser identificadas na avaliação postural feita pelo treinador determinadas assimetrias. Mas será que é possível, a “olho nu”, fazer um diagnóstico fidedigno? E será que por cima da pele conseguimos perceber o que está a acontecer por baixo da pele?
Será que, por exemplo, ao tentar corrigir determinados desvios nos ombros coluna ou bacia estamos a ir de encontro às principais necessidades do cliente?
Não será mais seguro trabalhar conjuntamente com um profissional de saúde com as devidas competências e habilitações e que, com recurso a exames complementares, nos ajude neste tipo de intervenção?
A mesma pessoa pode ter características diferentes entre o lado direito e o lado esquerdo. Forçar uma simetria ou um padrão mais standartizado ou esteticamente mais apelativo pode ir contra à anatomia e características individuais do aluno. É importante ter em mente que cada ser humano é fruto de uma herança genética e de todo um contexto social e até económico que podem ter influência na sua estrutura ao longo do tempo. Estamos a falar de anos, até mesmo décadas, pelo que não se conseguem nem se devem alterar essas características de um momento para o outro. Algumas dessas assimetrias, podem até mesmo ser benéficas para o conjunto de atividades quotidianas/ desportivas que o o ser humano está sujeito. Portanto, tornar-se mais simétrico não tem que, obrigatoriamente, ser sinónimo de mais saúde pois esta simetria terá que ocorrer sempre dentro dos limites, tolerância e anatomia de cada indivíduo.

Texto de Gonçalo André
Adaptado de José Afonso Neves

 

blog

Treino online
Treino de força
Treino ao ar livre
Treino
Testemunho
Terapia Ocupacional
Sem categoria
saúde
Reflexão da Semana
Prevenção de lesões
Preparação Física
Preparação Física
Postura
Personal Trainer
Perda de Peso
Osteoporose
Nutrição
Músculos
Multidisciplinaridade
Golfe
Futebol
Fisioterapia Desportiva
Fisioterapia
Exercício Físico
Exercício Clínico
Entrevista
Ensino
Educação
Direito Desportivo
Diabetes
Desporto juvenil
Comunicação
Ciência
Cardio
Cancro
Biomecânica
Atletismo
atividade física