pullover
Biomecânica
22 de Junho, 2020

Análise biomecânica do Pullover com haltere e com cabos

Ao final de alguns meses retomamos as nossas análise biomecânicas que já vínhamos habituando os nossos leitores, hoje trazemos uma análise comparativa entre o mesmo exercício mas realizado com diferentes objetos, Pullover com haltere e Pullover com cabos.

Optamos por simplificar as nossas análise de modo a sermos mais assertivos e a que a nossa mensagem seja de mais fácil compreensão.

Na primeira opção, Pullover com haltere, podemos observar que da posição inicial, ombro em maior flexão, até à posição final, mais extensão do ombro, a resistência diminui ao logo da amplitude articular. O mesmo será dizer que da posição da esquerda até à posição da direita o exercício vai ficando cada vez mais fácil.

Pullover com halter.
Pullover com haltere.

Por sua vez, quando realizamos o Pullover com cabos, acontece completamente o contrário. À medida que vamos até à posição final, mais extensão do ombro – imagem da direita, o exercício vai ficando cada vez mais difícil, mais resistência.

Pullover com cabos.
Pullover com cabos.

A resistência que falamos resulta do peso que escolhemos e da relação desse mesmo peso com o eixo articular, neste caso situado no nosso ombro.

Outro aspeto particular é que se queremos estimular os extensores do ombro, no caso do primeiro exercício – Pullover com haltere, temos de obrigatoriamente terminar com os braços perpendiculares ao nosso tronco, diríamos que tínhamos cerca de 90 graus disponíveis para estimular essa musculatura, a partir do momento que continuamos a mover o haltere a estimulação muscular seria outra.

No caso do exercício Pullover com cabos esse problema não se coloca porque a linha da força é a direção do cabo, logo temos um potencial de estimulação da amplitude articular de quase o dobro (+/- 180 graus).

Assim se tivermos as duas opções disponíveis a segunda possibilidade, Pullover com cabos, deve ser privilegiada, não só porque a evolução da resistência adapta-se melhor à nossa capacidade de desenvolver força interna mas também porque podemos manipular o ponto de partida dos cabos e assim ajustar a quantidade de flexão do ombro necessária e possível por cada praticante.

Continuação de bons treinos.

Referências:

  • Adaptado de: RTS (Resistance Training Specialist) – Tom Purvis.

blog

Treino online
Treino de força
Treino ao ar livre
Treino
Testemunho
Terapia Ocupacional
Sem categoria
saúde
Reflexão da Semana
Prevenção de lesões
Preparação Física
Preparação Física
Postura
Personal Trainer
Perda de Peso
Osteoporose
Nutrição
Músculos
Multidisciplinaridade
Golfe
Futebol
Fisioterapia Desportiva
Fisioterapia
Exercício Físico
Exercício Clínico
Entrevista
Ensino
Educação
Direito Desportivo
Diabetes
Desporto juvenil
Comunicação
Ciência
Cardio
Cancro
Biomecânica
Atletismo
atividade física