hernia discal
coluna
24 de Outubro, 2021

A Hérnia Discal e o Exercício Físico – Benefícios e recomendações!

Uma hérnia discal surge quando o disco inter-vertebral (material amortecedor que está entre as vértebras) se move da sua posição habitual e pode comprimir as raízes nervosas ou outras estruturas adjacentes, originando a dor e sintomas/sinais neurológicos.
Cada raiz nervosa, enerva uma parte do corpo muito específica. Por isso, os sintomas e limitações físicas podem ser sentidos precisamente nessa zona.
Consoante a localização na coluna vertebral designamos a hérnia por hérnia discal cervical, dorsal ou torácica, e lombar.

Hérnia discal cervical

A hérnia discal cervical surge normalmente entre a 5ª e 6ª (C5C6) ou 6ª e 7ª vértebras cervicais (C6C7), comprimindo os nervos da coluna nestes segmentos.
Apresenta sintomas como: dor irradiada ao longo do braço, por vezes até à mão (braquialgia), pode também resultar em dor cervical (cervicalgia ou cervicobraquialgia). A compressão e inflamação do nervo causa espasmos e dor dos músculos do pescoço, ombro e braço, relatada como calor/ abrasamento ou pontada. Podem também estar associados outros sintomas como dores de cabeça (cefaleias), adormecimento, formigueiro, alterações da sensibilidade e fraqueza muscular do membro afetado. Em última instância pode haver perda do controle da bexiga e dos intestinos, significando uma compressão grave da medula, pelo que se deve recorrer rapidamente a um parecer médico.

Hérnia discal lombar

A hérnia discal lombar ocorre frequentemente entre a 4ª e 5ª vértebras lombares (L4L5) ou entre a 5ª vértebra lombar e 1ª vértebra do sacro (L5S1), comprimindo os nervos da coluna nestes segmentos.
O sintoma mais recorrente é a ciática, uma dor aguda irradiando pela face lateral ou posterior de uma perna até ao pé, e é causada pela pressão da hérnia discal sobre os nervos L5 ou S1. Pode ser sentida a denominada “dor de costas”. Outros sintomas são: adormecimento, formigueiro, alterações da sensibilidade e fraqueza muscular do membro afetado. Podem estar condicionados outros nervos lombares, sendo que a dor irradia pela face anterior da coxa e normalmente não ultrapassa o joelho (cruralgia).

Hérnia discal dorsal ou torácica

A hérnia discal dorsal ou torácica menos comum. Manifesta-se por alterações da sensibilidade, perda de força do tronco e membros inferiores, perturbações do padrão de marcha, e disfunção urinária ou intestinal.

Hérnia discal – diagnóstico

Embora o RX faça parte do estudo da dor das costas ou perna, a hérnia discal não se descortina neste exame uma vez que é formada por material não ósseo. O exame mais indicado para o seu diagnóstico é a Ressonância Magnética (RMN), ou em alternativa a Tomografia Axial Computorizada (TAC). Em alguns casos pode ser útil o estudo da condução nervosa e Eletromiografia (EMG).

A grande maioria das hérnias discais vai deixar de se manifestar em 6 a 12 semanas, ou seja, vai apresentar uma melhoria progressiva e espontânea até à resolução

Hérnia discal

completa dentro de 3 meses, sendo a cirurgia o último dos cenários.

Como tal, não há propriamente uma fórmula mágica e instantânea num contexto de exercício.
No entanto fortalecimento dos músculos do pescoço, das costas e abdominais não só são recomendados como podem ajudar a prevenir novos episódios. Trabalhar as estruturas adjacentes como a cintura escapular também se revela muito importante na recuperação/ melhoria da funcionalidade. Como em qualquer circunstância deve-se realizar sempre exercício fora do limite da dor, de forma progressiva e respeitando as características de cada indivíduo. Devem ser sempre evitadas excessivas forças de compressão a nível do disco inter-vertebral. Alertamos porém, para a falsa sensação de segurança em certos exercício na posição sentada e que podem acabar por exercer pressão nos discos, nomeadamente da região lombar.
Caso tenha existido um episódio de dor aguda e incapacitante (e que tenha chegado a implicar inactividade física), após o desaparecimento da dor (com o respetivo consentimento por parte do médico) e a melhoria completa da funcionalidade da coluna, deve-se insistir para que se realize uma atividade física adequada não só à hérnia discal, como às restantes características/ especificidades e ao nível de atividade prévio ao episódio.
Registe-se que 30 a 60% de todos os adultos têm protusões ou pequenas hérnias de disco que não causam qualquer dor, número este que tende a aumentar com a idade. Portanto, este é mais um indicador elucidativo de que estar ativo, nesta condição não é nada de extraordinário, e até é, como vimos, essencial.
Consciência, bom-senso, sensibilidade, conhecimento e experiência serão, no entanto, aspectos a ter em conta na altura de realizar exercício. Contar com um profissional habilitado que reúna estas características vão fazer do treino de força uma ferramenta ainda mais terapêutica.

blog

Treino online
Treino de força
Treino ao ar livre
Treino
Testemunho
Terapia Ocupacional
Sono
Sem categoria
saúde
Reflexão da Semana
Prevenção de lesões
Preparação Física
Preparação Física
Postura
Personal Trainer
Perda de Peso
Osteoporose
Nutrição
Músculos
Multidisciplinaridade
Medicina
Golfe
genética
Futebol
Fisioterapia Desportiva
Fisioterapia
Exercício Físico
Exercício Clínico
Envelhecimento
Entrevista
Ensino
Educação
Direito Desportivo
Diabetes
Desporto juvenil
Cycling
Comunicação
coluna
Ciência
Cardio
Cancro
Biomecânica
Atletismo
atividade física