rafael peixoto
Músculos
14 de Janeiro, 2020

A falha muscular é necessária?

Após já vos termos mostrado um texto do Rafael Peixoto sobre o Síndrome de Conflito Femoro-Acetabular (FAI), hoje temos o prazer de publicar mais um excelente artigo deste treinador e formador sobre:

“🔙… a necessidade da Falha Muscular Momentânea. Penso que já ficou perceptível que o treino para o aumento de massa muscular engloba muitas mais variáveis do que apenas o número de repetições. Embora a falha muscular momentânea não seja uma variável de treino, é um fator que temos que ter em consideração.

🧠Vamos, então, começar por definir o que é a falha muscular momentânea. Inicialmente utilizava-se o termo “falha muscular”, que foi prontamente posto em causa, pois se se tratasse de uma falha real a nível muscular, não nos seria possível realizar mais nenhuma repetição, o que não se verifica. Com isto, passou a usar-se o termo “falha muscular momentânea” (FMM), que se refere ao momento em que não nos é possível realizar a fase concêntrica da repetição seguinte. Alguns autores referem que nestes momentos é realizada uma tentativa de uma próxima repetição, em que a barra (ou o haltere ou qualquer que seja o instrumento utilizado) já não é movido pelo sujeito.

📝Em sujeitos sedentários, a FMM é algo desnecessário e pode até, ser, de certa forma, perigoso atingir.
🎯Isto devido à pouca experiência de treino, e a técnica do movimento ficar comprometida à medida que a fadiga se vai instalando no nosso sistema, o que aumenta o risco de lesão.

🎯Outro motivo é devido à DOMS (dor muscular tardia, após o treino), que poderá aumentar em sujeitos sedentários ou com pouca experiência de treino. Note-se que uma DOMS em exagero poderá ser prejudicial e, com certeza que ninguém gostará de estar 1 semana cheio de dores ou ter que recorrer a analgésicos para alívio da dor (“Primum non nocere” Hippocrates).

🎯Em terceiro e por último ponto, os estudos já demonstraram que, em indivíduos sedentários, conseguimos resultados sem chegar à FMM.

🎬Portanto para sujeitos com pouca experiência ou sedentários poderemos estar longe da FMM e conseguir resultados interessantes.

🔙… Em sujeitos que treinam regularmente, os dados são diferentes comparativamente aos sujeitos sedentários. Com a experiência de treino, a tendência para os resultados estagnarem começa a aumentar. Surge então a necessidade de alterar alguma variável, de modo a conseguirmos progredir e continuar com os bons resultados. [ATENÇÃO: existem muitas variáveis no treino para modificar, neste texto apenas vou falar da FMM. Tendo em conta que esta não é a última bolacha do pacote]

🏋️‍♀️Com maior capacidade de trabalho e de realizar treinos mais intensos, nos sujeitos que treinam regularmente surge a oportunidade de chegar ou tentar chegar à FMM. Vamos aos dados: 📃Fisher e colaboradores (2013), demonstram na sua revisão que é importante chegar a níveis de intensidade elevados, de forma a ser possível recrutar o maior número de unidades motoras com o maior tamanho possível, para conseguir gerar um estímulo que leve à adaptação. Uma das formas de o conseguir, é através da FMM ou o mais próximo possível desta. 📃Sampson e Groeller (2015) referem que quando comparados protocolos que atingem a FMM com protocolos que não a atingem, se o volume de treino for equiparado, os resultados são idênticos. Um problema encontrado, em alguns estudos, é que nem sempre os sujeitos atingem a FMM, pois quando realizam um número considerável de repetições, o desconforto é bastante elevado e, muitas vezes, a pessoa acaba por interromper a série devido ao desconforto e não devido à FMM.

👨‍🏫Ao que parece, na minha opinião, chegar à FMM é uma necessidade e, de certa forma, pode-nos ajudar a conseguir o mesmo resultado, com menos trabalho. No entanto, o volume de treino tem a sua importância no que toca à hipertrofia, portanto serão várias as variáveis que teremos que ter em conta, com isso coloco as seguintes questões:

Será benéfico realizar algumas séries próximo da falha e na última série que realizo o exercício aumentar a carga e chegar o mais perto possível da FMM?

Ou será mais benéfico realizar menos trabalho e tentar chegar o mais próximo possível da FMM?

Por fim, e provavelmente a mais importante, teremos capacidade para chegar à real FMM?

🧠Há sujeitos que não vão conseguir chegar à FMM por causa de limitações musculares ou articulares devido ao risco de lesão aumentar ou até mesmo porque não conseguem tolerar o esforço mental e/ou físico de chegar à FMM. Nestes casos teremos que optar por um trabalho com maior volume e não chegar à FMM. Será interessante, por exemplo, utilizar uma gestão pela teoria das repetições estimulantes.

📌Antes de mais quero clarificar que esta teoria das repetições estimulantes foi proposta pelo Chris Beardsley, pelo que este texto será parte traduzida de lá bem como a minha opinião.

🧩Pelo que já fomos percebendo a falha muscular momentânea (FMM) pode não ser necessária para obter ganhos de massa muscular. Apesar de na minha opinião ser uma peça bastante importante, a verdade é que com muita gente não o vamos conseguir.

🎯Um dos problemas prende-se no Volume de treino. O volume de treino, normalmente, é calculado através de “Séries X Reps X Carga” (Volume Load) ou “Séries X Reps” (Volume). Por estas equações poderemos obter que um treino realizado com menor carga, p.e. 25-35RM, comparado com um treino com maior carga, p.e. 8-12RM, teremos volumes de treino diferentes e, no entanto os ganhos de força são similares. O mesmo obtemos por exemplo com o German Volume Training em que não treinamos até à FMM, mas com um grande volume de treino e obtemos os mesmo ganhos de massa muscular.

🧠Então podemos chegar ao ponto que o mais importante será o número de “Repetições Estimulantes”. Isto é, as repetições realizadas com recrutamento de unidades motoras (UM) de maior tamanho e com uma velocidade de contração dessas UM de forma lenta (🚨Atenção que é a velocidade de contração da fibra e não do movimento que vemos!). 👨‍🏫Isto deve-se ao facto de as unidades motoras estarem expostas a grandes níveis de tensão mecânica. Ou seja isto contabiliza-se pelas Últimas 5 Repetições antes da FMM. Por exemplo se eu realizo uma série de 5 Repetições Máximas, eu contabilizo 5 Repetições Estimulantes. Se eu realizo 10 Repetições Máximas eu contabiliza na mesma 5 Repetições Estimulantes. Já se eu realizo uma Série de 10 Repetições, na qual eu deixei 2 repetições de reserva, significa que apenas fiz 3 Repetições Estimulantes.

🎯Ou seja, uma Repetição Estimulante será naquele momento em que a velocidade de execução do exercício diminui, não de forma volitiva mas, porque a fadiga muscular local se instala e eu já não consigo realizar a repetição de forma mais rápida.

🧠Pensem nisto!

🔚..
🚫Deixando de parte o aumento de massa muscular, vamos debruçar-nos sobre os ganhos de força e a FMM. Será necessário chegar à FMM para obter ganhos de força?

🚨Ao que parece não! Se é possível ter ganhos de força chegando à FMM? É, mas os dados mais recentes demonstram que estando mais longe da FMM, os ganhos de força são melhores.

💻Com o desenvolvimento da tecnologia conseguimos, hoje em dia, ter acesso mais fácil ao acelerómetros e encoders (aparelhos que nos permitem controlar o treino através da Velocidade). Pareja-Blanco, F., e colaboradores (2017) demonstraram que os sujeitos que interromperam a sua série com uma perda de velocidade de 20%, tiveram ganhos de força idênticos, mas maiores ganhos de potência. Aqueles que terminaram a série com uma perda de velocidade de 40%, acumularam mais trabalho e tiveram um menor aumento de potência. Isto acontece devido à maior fadiga acumulada e a uma maior perda de MHC-IIX (myosin isoform). De acordo com o estudo, os atletas que terminaram as suas séries com uma perda de velocidade de 20%, acumularam menor volume de trabalho e por consequência menor fadiga.

🎯Estes dados são extremamente importantes, principalmente, para quem trabalha com atletas, pois é possível conseguir aumentos de força e potência sem chegar à FMM e, por consequência, uma menor fadiga. Isto significa que o tempo de recuperação após o treino encurta, pelo que os atletas estavam recuperados ao fim de 6 horas. Um ponto a reter importante é que o treino pela velocidade (VBT) é realizado com máxima velocidade concêntrica e máxima intenção.

🧩Para quem se questiona de que forma poderá controlar o treino, não tendo qualquer material para controlar através da velocidade, a minha sugestão são as Repetições em Reserva, pois há uma grande correlação entre a Velocidade da repetição e o número de Repetições em Reserva.

Bons Treinos! Seguros, Motivadores e Eficazes!”

Rafael Peixoto | Strength & Conditioning Specialist

blog

Treino online
Treino de força
Treino ao ar livre
Treino
Testemunho
Terapia Ocupacional
Sono
Sem categoria
Saúde Mental
saúde
Reflexão da Semana
Prevenção de lesões
Preparação Física
Preparação Física
Postura
Personal Trainer
Perda de Peso
Osteoporose
ossos
obesidade
Nutrição
Músculos
Multidisciplinaridade
Medicina
Golfe
genética
Futsal
Futebol
Fisioterapia Desportiva
Fisioterapia
Exercício Físico
Exercício Clínico
escoliose
Envelhecimento
Entrevista
Ensino
Educação
Dor
Direito Desportivo
Diabetes
Desporto juvenil
Cycling
crianças
Comunicação
coluna
Ciência
Cardio
Cancro
Biomecânica
Atletismo
atividade física
Alto Rendimento
Ver todas as Categorias